Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
quarta, 30 setembro 2015 05:34

Dia da apreciação Rumi

Dia da apreciação Rumi
“Sê como o Sol para a Graça e a compaixão. Sê como a noite para encobrir os defeitos alheios.  Sê como uma corrente de água para a generosidade.  Sê como a morte para o ódio e a ira.  Sê como a Terra para a modéstia.  Aparece tal como és. Sê tal como pareces.   Se pudesses libertar-te, por uma vez, a ti mesmo, o segredo dos segredos se abriria para ti.  O rosto do desconhecido, oculto além do universo, apareceria no espelho da tua percepção.”

 

 

Mavlana Jalal-ad-Din Muhammad Rumi), também conhecido como Mavlana Jalal-ad-Din Muhammad Balkhi, ou ainda apenas Rumi ou Mevlana, nascido em 1207 na província de Balkh, berço da civilização persa, Rumi produziu várias obras de caráter místico, sendo a mais famosa o Masnavi, um conjunto fértil de poesias místicas e de tratados teológico-filosóficos. Uma obra monumental, dividida em seis livros, contendo cinquenta e um mil versos. Conhecido como Alcorão persa, como também o livro Fihi ma fihi, que é um livro do interior” e de ensinamentos espirituais. Ele foi um poeta, jurista e teólogo sufi persa do século XIII.

 Seu nome significa literalmente "Majestade da Religião"; Jalal significa "majestade" e Din significa "religião".Rumi é, também, um nome descritivo cujo significado é "o romano", pois ele viveu grande parte da sua vida na Anatólia, que há dois séculos fazia parte do Império Bizantino.

Ele viveu a maior parte de sua vida sob o Sultanato de Rum, no que é hoje a Turquia, onde produziu a maior parte de seus trabalhos e morreu em 1273 .

 Foi enterrado em Konya e seu túmulo tornou-se um lugar de peregrinação. Após sua morte, seus seguidores e seu filho Sultan Walad fundaram a Ordem Sufi Mawlawīyah, também conhecida como ordem dos dervishes girantes, famosos por sua dança sufi conhecida como cerimônia Sema.

A obra-prima de Rumi – o Masnavi é uma das mais importantes coletâneas de poesia mística de todos os tempos. Outro livro digno do poeta é o Diwan-e Shams-e Tabrizi.

Rumi acreditava muito no poder espiritual da música e dizem que ele foi o introdutor do característico 'giro', meditação em movimento praticada pelos dervixes. Pela concentração na dança e música espiritual, Rumi era capaz de atingir o êxtase e experimentar a alegria da comunhão com o divino.

As obras de Rumi foram escritos em nova persa. Uma renascença literária iraniana (século VIII/IX) começou nas regiões de Sistão, Khoração e Transoxiana e por volta do século X/XI, ela substituiu o árabe como língua literária e cultural no mundo islâmico persa.

 Embora os obras de Rumi tivessem sido escritos em persa, a importância de Rumi transcendeu fronteiras étnicas e nacionais.

 Seus trabalhos originais são extensamente lidos em sua língua original em toda a região de fala persa. Traduções de seus trabalhos são bastante populares no sul da Ásia, em turco, árabe e nos países ocidentais. Sua poesia também tem influenciado a literatura persa bem como a literatura em urdu, bengali, árabe e turco. Seus poemas foram extensivamente traduzidos em várias das línguas do mundo e transpostos em vários formatos.

A poesia de Rumi é frequentemente dividida em diversas categorias: os quartetos (rubayāt) e odes (ğazal) do Divan, os seis livros do Masnavi, Os Discursos, As Cartas e o praticamente desconhecido Seis Sermões.

Obras poéticos

A principal obra de Rumi é o Masnavi Ma'nawi, um livro de poema em seis volumes considerado por alguns como sufi como o Alcorão em língua persa. É considerado por muitos como um dos maiores obras de poesia mística.

A outra grande obra de Rumi é o Diwan-e Kabir (Grande Obra) ou Diwan-e Shams-e Tabrizi (As Obras de Shams de Tabriz intitulado em honra do grande amigo e inspiração de Rumi, o dervixe Shams) e contendo aproximadamente quarenta mil versos.

 Várias razões foram dadas para a decisão de Rumi de dar o nome de Shams à sua obra prima; algumas pessoas defendem a ideia de que já que Rumi não teria sido um poeta sem Shams, é justo que a coleção receba seu nome.

Obras em Prosa

Fihi Ma Fihi (Nele o Que Estiver Nele, Persa: فیه ما فیه) é uma coletânea de setenta e uma notas dadas por Rumi em várias ocasiões para seus discípulos. Foi compilada a partir das anotações de vários de seus discípulos, e portanto Rumi não escreveu o trabalho diretamente.

Majales-e Sab'a (Sete Sessões, Persa: مجالس سبعه) contêm se sermões persas (como implicado pelo nome) ou palestras dadas em diferentes assembleias. Os sermões propriamente dão um comentário sobre o sentido mais profundo do Alcorão e do Hadith. Os sermões também incluem citações dos poemas de Sana'i, 'Attar e outros poetas, incluindo o próprio Rumi

Makatib (As Cartas, Persa: مکاتیب) é o livro contendo as cartas de Rumi em persa para seus discípulos, familiares e homens influentes e do governo. As cartas testificam que Rumi estava bastante ocupado ajudando familiares e administrando uma comunidade de discípulos que cresceu ao redor deles.

Dez Frases e Pensamentos de Jalal ad-Din Muhammad Rumi

“Você nasceu com asas. Por que você ainda assim prefere se rastejar pela vida?”

“Venha, procure, porque a busca é o alicerce da sorte: todo sucesso depende de colocar o coração naquilo que você quer.”

“Não se aflija. Tudo o que você perde, volta para você em uma outra forma.”

“Aposte tudo no amor, se você for um verdadeiro ser humano.”

“Muitas das falhas que você vê nos outros, são seus próprios defeitos refletidos neles.”

“Deixe-se ser desenhado silenciosamente pela forte atração do que você realmente ama.”

“Morri como mineral e tornei-me planta, morri como planta e renasci como animal, morri como animal e fui Homem.”

“Saia da roda do tempo e venha para a roda do amor.”

“Se você deseja misericórdia, mostre misericórdia aos mais fracos.”

“Se você cavar uma cova para os outros caírem nela, você que acabará caindo lá.”

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces