Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
quarta, 26 agosto 2015 11:38

A vida do oitavo Imam dos xiitas, Imam Ar-Reza (que a paz esteja com ele) e o seu ambiente politico do Imam al-Reza- segunda parte

A vida do oitavo Imam dos xiitas, Imam Ar-Reza (que a paz esteja com ele) e o seu  ambiente politico do Imam al-Reza- segunda parte
Hoje é o aniversário do nascimento de Hazrate Ali ibn Musa al-Reza (saudações a ele) o imaculado neto do Mensageiro de Deus. Há mais de mil anos que tem passado da sua entrada  no Irã e a sua estadia afogando o coração dos amantes do profeta e os seus descendentes em paixão e alegria.

 

o  Santa profeta do Islã (P.E.C.E) disse sobre Imam al-Reza(S.A):  

“Aquele que me visitou longe do meu lar, eu virei a ele no Dia do Juízo Final em três atribuições a fim de livrá-lo de seus horrores, nem que os livros tenham se espalhado pela direita ou pela esquerda, nos caminhos e nas qualificações”.

 

Em um dia tão auspicioso, corações dos seus amantes impaciente deseja estar presentes no divino e luminoso santuário de Imam Reza. Passada séculos do martírio deste Imam, ainda os seus amantes de todas as partes do mundo vão para a cidade de Mashhad, no nordeste do Irã, ansiosos para passar dias e algumas horas no mausoléu perto do seu Santo Imam al-Reza (S.A), lapidando e embebedando a alma e espirito pela sua presença espiritual.

Uma onda maciça de peregrinos de Imam Reza (como) entusiasmos,  relembrando a saída do Imam da Medina para a terra de Marw. A caravana de Nishabour passava pelo Irã. As pessoas desta cidade há dias, tinham se preparados para recepcionar o seu sexto Imam. Quando o comboio chegou à cidade; houve uma grande multidão entusiasmada esperando e chorando de prazer e alegria. Todo mundo tem uma maneira de expressar seus sentimentos. Pela grande presença de pessoas, o comboio de Imam foi forçado a parar. Todos estavam  ansiosos para ver suas expressões e ouvir a sua voz. Ele apreciou a oportunidade e fez um discurso.

Ele recitou uma Hadith que Deus dirigia ao Profeta (P.E.C.E) dizendo:

"A palavra de Tawhid (unicidade) ou seja “não existir Deus ao não ser o Deus único” é a minha fortaleza, quem entrar nesta Fortaleza está seguro de castigo. "

Após a dizer esta Hadith, o Imam Reza, enfatizou : mas com uma condição: " Eu sou a condição."

Imam Reza quis relevar em consideração  o papel da liderança dos Imamates na orientação da nação islâmica de expressão.

 

Agora nos também levamos os nossos corações para a seu santuário luminoso, dizendo:

"Saudações para ti, o Ali ibn Mossa al-Reza, o apurado neto do Mensageiro de Deus, protestamos o estimo e sinceros apreciações de todos os fieis do universo, a quem é uma fonte de conhecimento e sabedoria."

Aniversário de nascimento de Imam Reza (p) seja feliz para todos os nossos leitores.)

Na segunda parte do nosso comentário por ocasião do aniversário do nascimento do Imam al-Reza , explicamos a situação Política na sua época.

O Imam “al-Reza” (S.A) notabilizou-se pela grande popularidade e simpatia na maioria das províncias da nação, pois quando tomou posse da liderança dos fieis , após a morte de seu pai, fez um extenso giro no mundo islâmico a partir de Medina até Basra no Iraque, e daí a todas as localidades do conhecimento islâmico, onde se reunia com os eruditos e oradores, dialogando com todos a respeito de diversos assuntos. Inclusive visitava as cidades principais tais como Al-Kufá, Al-Yomna, Marw, Naichabur, etc. O Empenho do Imam “al-Reza” (S.A) destacou-se muito pela atenção no conhecimento religioso entre a população.

Os Abássidas deram continuidade à política do terror e suplícios contra os partidários dos Imames, e as perseguições contra os mesmos aumentavam a cada dia, enquanto que os chefes que eram contrários ao califado continuaram a liderar os levantes e as revoluções contra o Governo Abássida, porque, tanto os Omíadas como os Abássidas eram usurpadores no califado, e eram tiranos e perversos nos seus procedimentos contra a população, totalmente contrários aos preceitos islâmicos. Entre os rebeldes defendia-se a ideia que os verdadeiros sucessores (califas) seriam na verdade, os descendentes da “gente da Casa” que é a Linhagem do Profeta Mohammad (S.A.A.S.), representados pelos Imames purificados.

O dia de Imamate do Imam Ali ibn Musa al-Reza (S.A) foi durante o califado de Harun ar-Rashid e os seus dois filhos Amin e Al-Mamun. Dez anos de califado de Harun, cinco anos do califado de Amin e cinco do califa al-Mamun.

O Imam al-Reza (S.A)  durante o califado de Harun, após o martírio do seu pai, o Imam Al-Kadzim (S.A), o seu pai, divulgou seu Imamate e o seu convite, e sem medo começou a dirigir os muçulmanos. A situação política na sociedade estava sufocante. Na época do Califado de Harun , o Imam anunciou sua Imamate, e ocupou o lugar de seu pai, enquanto a espada de Harun tem sede de o seu sangue. Imam havia previsto, como Harun nunca encontrou o tempo para irritar o Imam, e, finalmente, na sequência dos motins realizados no leste do Irã, Harun foi forçado a mover-se com seu exército para Khorasan. Durante a viagem, ele adoeceu e no ano 193 AH (809 dC), morreu na cidade de Tus e Islã e os muçulmanos foram libertados de sua existência pérfida.

O Imam al-Reza em tempo de AMIN

Após a morte de Harun começou disputas entre Amin e Al-Mamun, dois filhos de Harun. Harun havia nomeado seu filho Amin como o seu sucessor, e fez sua promessa de que depois dele (Amin), seu irmão Al-Mamun seria o califa, e região de Khorasan, durante o reinado de Amin, deve ser regida por Al-Mamun. Mas Amin, depois da morte de Harun, em 194 AH (810 AD) nomeou seu filho Musa como sucessor, privando seu irmão Al-Mamun de esta posição. Finalmente, após o confronto sangrento entre Amin e Al-Mamun, Amin foi assassinado no ano 198 AH / 813 dC, e Al-Mamun tomou o califado em suas mãos. O Imam al-Reza (S.A) durante este tempo, aproveitando as diferenças de governo do califa calmamente se dedicou para orientar, ensinar e preparar seus seguidores.

O Imam em tempo de Al-Mamun

 Entre os califas de Bani 'Abbas Al-Mamun era o mais esperto e traiçoeiro. Ele tinha estudado e sabia outras ciências, eloquente nos debates com alguns estudiosos de seu tempo. É claro que, no momento da aquisição do governo, era também um meio político utilizadas contra o povo, e ele nunca estava interessado na religião ou no Islã; Também não foi menos corrupto e malicioso, ou despótico, comparando com califas anteriores. A única coisa que o distinguia dos outros, estava agindo com cuidado e, assim, enganar a maioria das pessoas. Mesmo para solidificar os pilares de seu governo às vezes se discutia com acadêmicos e debatia questões religiosas com eles. Al-Mamun aparentemente deixava  um ambiente livre, e os estudiosos foram convidados para o palácio do Califa. Ele organizou reuniões em que foi alegado, debatidas e aprendeu e, durante seu califado, debates e controvérsia científica tinha atingido ao seu esplendor. Além de tudo isso, Al-Mamun estava lutando através de alguns atos, para atrair a atenção de alguns xiitas e seguidores do Imam al-Reza. Al-Mamun tentou, com esta abordagem, acabar com qualquer revolta ou insurreição, e ficou satisfeito de manter as pessoas a continuar com seu governo. Portanto, devemos dizer que a situação de que o tempo necessário para começar a restaurar o que havia sido destruído, seria simular que estava modificando as irregularidades e que era diferente dos outros califas que tinham governado antes dele. Al-Mamun estava em uma situação muito delicada e instável, porque não era uma boa postura ocupado principalmente na cidade de Bagdá que na época era o centro do governo Abbasid. Além disso, a subida dos partidários de Ali (S.A) foi outra séria ameaça ao seu governo, já que no ano 199/814 tinha sido começado grande agitação por parte dos grupo de partidários  de Imam Ali, nas cidades do Iraque e do Hijaz, que aproveitando a fraqueza que tinha causado as diferenças entre Al-Amin e Mamun, causando transtornos de Kufa para o Iêmen. Mas Al-Mamun meticulosamente dominou a situação. Por outro lado, havia também o perigo que os iranianos fizessem levantes contra califado,  porque os iranianos aceitavam o califado que pertencia aos descendentes de Imam Ali (S.A), e foram simpatizante do Imam Ali, o Príncipe dos Crentes (S.A) e sua família, o que ajudou os Abássidas para derrubar os Omíadas.

Por isso, quando al-Mamun chegou ao poder, decidiu mudar a sua política, por aperceber-se de que já estavam em perigo a paz e a tranquilidade nos países islâmicos. Astuciosamente, começou a traçar novos planos a fim de conquistar a confiança e a simpatia do povo, principalmente a dos rebeldes, trocando a política da perversão e das condenações a morte, praticada durante setenta anos por seus ancestrais, os califas, sem resultado algum, por outra política astuciosa, nomeando o Imam “Al-Reza” (A.S.) como seu sucessor no califado, pois tendo-o ao seu lado e afastando o encanto e a inquietação de seu governo, poderia assim acalmar as insatisfações e revoltas da população islâmica, e por outro lado, aprisionaria o Imam “Al-Reda” (A.S.) em uma ‘gaiola de ouro’, isto é, não numa fétida prisão, mas no Palácio, onde ele poderia ser observado sutilmente em todos os seus passos.

Quando o califa Abássida, al-Mamun propôs ao Imam (A.S.) ficar ao seu lado, este se recusou terminantemente, pois sabia que não teria liberdade e teria de pedir a permissão do Al-Mamun para cada passo seu por mais curto que fosse. Diante da recusa, Al-Mamun lhe falou com severidade: “Com a tua recusa, tu me obrigas àquilo que detesto e tu ultrajaste a minha autoridade… Pois juro por Deus! Ou aceites a sucessão no califado ou te obrigarei a isto, caso contrário, se recusardes, decapitarei a tua cabeça”. O Imam (A.S.), não teve outra opção, aceitando o califado contra a sua vontade, pois sabia que com isto perderia a própria paz e o povo o desprezaria ao vê-lo se aliar ao Abássidas excedentes na opressão e na perversidade, enquanto que ele não poderia fazer nada para impedi-los ou modificá-los. Enfim, o Imam (A.S.) se encontrava de mãos atadas diante da situação.

Assim sendo, por causa desta sucessão, o califa Al-Mamun mandou o Imam “Al-Reza” (A.S.) para Khorassan, ao norte do Irã, que era a capital do Califado. Lá estando, o Imam passou a sentir o gosto da solidão no exílio, longe dos parentes e de sua família, separado do povo. O califa Al-Mamun procedeu propositadamente ao confinar o Imam (A.S.) em seu Palácio, onde os olhares o observavam e os serviçais o espionavam. A vida do Imam “Al-Reza” (A.S.) tornou-se insuportavelmente controlada e fiscalizada.

O plano de Al-Mamun com a sucessão

Houve vários motivos que levaram o Califa Al-Mamun a agir assim, eis que mencionaremos a seguir: Quis cobrir o seu califado com a vestidura legal, pois os próprios Abássidas olhavam para o seu governo com a dúvida e a desconfiança, principalmente após o assassinato de seu irmão Al-Amin; daí, quis o Al-Mamun acrescentar ao seu mandato o que chamaríamos de “santidade” e “fé” no conceito dos outros, e, por outro lado, pretendeu atrair para si os rebeldes e os muçulmanos em geral.

Al-Mamun tentou plantar a semente da desconfiança e da dúvida sobre o ministério do imamato, e dessa forma se aproximava do sistema dos governantes Abássidas, cheio de contradições, espalhando cinzas nos olhos ao nomear como seu sucessor, o Imam “Al-Reda” (A.S.), e inclusive isolando seu próprio irmão Al-Mutamen. Após a nomeação, determinou o que segue: casou o Imam “Al-Reza” com sua filha Umm Habiba; substituiu a insígnia da vestimenta negra dos Abássidas como cor oficial da corte, pela cor verde dos xiitas; ordenou os Abássidas, colaboradores e oficiais da corte, a patentear a sucessão ao califado do Imam “Al-Reza”; e cunhou moedas com o nome do Imam “Al-Reza”.

Al-Mamun quis com essa sucessão épica fazer com que o Imam (A.S.) permanecesse ao seu lado e controlar suas ações, a fim de afastá-lo dos preceitos do xiismo e do resto do povo; e assim o Imam “Al-Reda” (A.S.) passou a viver sob a espionagem permanente no Palácio de Al-Mamun, vivendo o exílio no sufoco da saudade de sua gente e de seus adeptos.

A Morte do Imam “Al-Reda”

Mencionamos de forma breve os motivos que levaram Al-Mamun a nomear o Imam “Al-Reda” (A.S.) como seu sucessor ao califado e esclarecemos que a causa para tal era a pretensão de afastar o ponto de vista negativo que pairava sobre ele, incluindo a inquietação política que as províncias sofriam, e por fim, mostramos que o Imam “Al-Reda” (A.S.) estava bem ciente das intenções de Al-Mamun e seus projetos.

Al-Mamun temia a inteligência do Imam considerando-o de suma importância e influência junto ao povo e personalidades de gabarito. Diante deste fato, Al-Mamun se empenhou em se livrar dele, assassinando-o pelo envenenamento fatal e fulminante, administrado em sua comida. Estrategicamente, Al-Mamun omitiu o fato, escondendo o corpo por um dia e uma noite, e depois, mandou chamar o tio e o pessoal dos Abi Táleb, a fim de notificá-los da morte repentina e “natural” do Imam “Al-Reda”, entregando-lhes os restos mortais do ente querido.

Entretanto, os historiadores relatam de que o povo se aglomerou ao redor do Palácio em que se encontrava o Imam, surgindo boatos de que foi o próprio califa Al-Mamun que mandara matar o Imam “Al-Reda” (A.S.). Temeroso, Al-Mamun pediu ao tio do Imam que anunciasse o féretro. Feito isto, as pessoas se afastaram, e, durante a noite escura, o Imam “Al-Reda” (A.S.) foi sepultado ao lado do sepulcro de Haroun Al-Rachid, no ano 203 da Hijra correspondente ao ano de 818 d.C, morrendo aos 55 anos de idade, pelo calendário lunar da Hijra, na cidade de Tuss em Khorassan.

Atualmente seu sepulcro é uma das maiores sepulturas sagradas do mundo, e é onde há um museu do Alcorão Sagrado e outro do Imam “Al-Reda”, onde se encontram pertences pessoais que ele usava em vida, inclusive as moedas cunhadas em seu nome.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces