Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
Thursday, 03 March 2016 18:21

Irã : Apresentar Hezbollah como um grupo terrorista faz parte de um plano contra a Resistência

Irã : Apresentar Hezbollah como um grupo terrorista faz parte de um plano contra a Resistência
Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irã condenou a designação do Hezbollah como um "grupo terrorista" pelo Conselho de Cooperação do Golfo (GCC, composto por países árabes na fronteira com Golfo Pérsico).

“Nós repudiamos a declaração GCC para apresentar o Hezbollah como uma organização terrorista”, disse o vice-chanceler do Irã, Morteza Sarmadi.

O diplomata iraniano disse que as organizações terroristas no Oriente Médio são conhecidas em todo o mundo, e que o Movimento de Resistência Islâmica no Líbano (Hezbollah) não é um deles. Depois de notar que o Hezbollah é um grupo que se opõe à política do regime de Israel, Sarmadi apontou que chamar este grupo como "terrorista" é parte de um plano "contra a Resistência", que serve a favor dos objetivos do regime de Tel Aviv.

Morteza Sarmadi afirmou estas declarações durante uma entrevista à agência de notícias russas, Sputnik, em reação à decisão tomada no mesmo dia na quarta-feira pelo GCC para declarar Hezbollah um "grupo terrorista".

Por outro lado, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irã, Hussein Jaber Ansari, disse: "O Hezbollah tornou-se um importante símbolo da resistência contra o regime israelense graças à sua firmeza contra os usurpadores e sua solidariedade com o povo palestino”. Ele afirmou: "O Hezbollah representa anseios persistentes da comunidade islâmica para alcançar a independência, liberdade, justiça e enfrentar o extremismo e o terrorismo, por isso, a oposição de alguns governos árabes a este grupo não justifica a sua sincronia com o regime usurpador de Israel para atravessá-la fora como um grupo terrorista”.

Em sua opinião, essa intervenção só afeta os interesses dos países muçulmanos e da comunidade islâmica. "Com estas alegações e propagandas negativas, autoridades árabes buscam intimidar outros governos (...) e afetar negativamente os interesses dos países islâmicos, cientes ou inconscientemente", concluiu.

Declarações Jaber Ansari ter ocorrido em reação à decisão tomada no mesmo dia na quarta-feira pelo Conselho de Cooperação do Golfo (GCC, composto por países árabes que fazem fronteira com o Golfo Pérsico) para declarar Hezbollah um "grupo terrorista".

Na recente reunião do GCC-composto por Arábia Saudita, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos (EAU), Omã e Kuwait, o bloco acusa o Hezbollah e seus grupos associados de cometer "atos de agressão" recruta "juventude" em seus estados membros, para contrabandear "armas e explosivos,” instigantes "sedição" e espalhar o "caos e da violência”, alguns dos seus países membros são acusados de apoiar grupos terroristas que operam dentro da Síria.

Pelo contrário, o Movimento de Resistência Islâmica do Líbano luta ao lado do exército sírio contra os terroristas ativos neste país árabe e, de fato, ter obtido muitas vitórias e expulso ou matou muitos terroristas em diversas áreas da Síria onde eles estavam a cometer crimes desumanos contra a população civil.

A Síria sempre considerou Hezbollah um movimento de resistência árabe contra o regime de Tel Aviv e do terrorismo e cujos laços com Damasco é orgulhoso e respeite os seus grandes sacrifícios, tanto no Líbano e como na Síria.

A Síria sofre desde 2011 um conflito armado iniciado por grupos terroristas como Daesh ou Frente al-Nusra (associada com a Al-Qaeda), apoiados por certos países estrangeiros que causaram até agora a morte de mais 270.000, de acordo com o últimos dados divulgados pelo Observatório da oposição síria para os Direitos Humanos (OSDH). Deve-se lembrar de que os aviões israelenses bombardeiam territórios sírios ocasionalmente, a fim de retardar o progresso feito por tropas sírias, apoiadas por combatentes do Hezbollah contra grupos terroristas.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces