Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
Monday, 02 February 2015 07:56

Governo português visita Irã pela primeira vez em 40 anos

Governo português visita Irã pela primeira vez em 40 anos
 Rui Machete inicia neste domingo visita de dois dias. Em Teerão, o governante irá encontrar-se com o seu homólogo iraniano e com o Presidente Hassan Rohani.



O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, inicia neste domingo uma viagem de dois dias ao Irão, país que Portugal não visita oficialmente desde 1975, quando ainda não havia república islâmica.
A visita inicia-se na cidade de Esfahan, no centro do país. Para segunda-feira está reservado o momento político mais alto da viagem, na capital, Teerão, onde o ministro vai encontrar-se com o seu homólogo na diplomacia, Javan Zarif, e também com o Presidente iraniano, Hassan Rohani.
O historiador e investigador João Teles e Cunha integra a comitiva. Os cinco séculos de relações entre Portugal e Irão estão marcados por desconfianças e encantamentos mútuos e há "um certo ressentimento" entre os dois países admite o investigador.
Portugal e o Irão começaram a relacionar-se há 500 anos, quando Afonso de Albuquerque conquistou a pequena ilha de Ormuz, na altura um reino independente, onde ainda existe uma fortaleza edificada pelos portugueses. Os portugueses são "o primeiro povo europeu com o qual os iranianos têm um choque, que culpam pela ocupação de parte do seu território", realça João Teles e Cunha.

História de suspeita
O historiador é autor da obra Olha da Grande Pérsia o Império Nobre – Relações entre Portugal e a Pérsia na Idade Moderna (1507-1750), cuja versão em língua persa será lançada na segunda-feira, em Teerão, na presença de Rui Machete e do ministro da Cultura iraniano, Ali Janati, que visitou Portugal no ano passado.
As relações bilaterais começaram "na base da força" e, portanto, "existem desconfianças" históricas, destaca. "Os portugueses não confiavam nos desígnios expansionistas dos iranianos, que pretendiam espalhar o xiismo, e os iranianos também desconfiavam dos portugueses e da sua presença naval no Golfo Pérsico e em Ormuz", explicita.
Mesmo quando, no início do século XVI, portugueses e iranianos partilham inimigos – o império otomano e o sultanato mameluco do Cairo –, uma estratégica conjunta falha. "Esta suspeita política mútua vai minar todas as tentativas de concretizar uma aliança política, até ao declínio do império português na Ásia", diz Teles e Cunha.
É essa história comum que explica que os portugueses surjam como "maus da fita" nas telenovelas iranianas, ainda que, nos séculos XIX e XX, ingleses, russos e americanos sejam autores de "ingerências ocidentais muito mais pesadas" no Irão, observa.


História de deslumbramento
Mas há mais nas relações entre os dois países. "Há, de um lado e do outro, um certo encantamento, limitado é certo", frisa. Os iranianos reconhecem aos portugueses "superioridade técnica, nomeadamente no campo bélico, do armamento e da construção militar", considerando a fortaleza de Ormuz "uma prova" disso, realça Teles e Cunha. Ao mesmo tempo, a arte safávida chegou a representar os portugueses em miniaturas, revelando algum "encantamento" pelo povo ocidental.
Já a literatura de viagens de origem portuguesa nasceu com o envio de uma embaixada ao Irão, em 1515, considera o investigador. O "relato circunstanciado da viagem" revela um "entendimento difícil da sociedade iraniana", mas também "deslumbramento por costumes, terras, arquitectura, cerimónias", relata.
Do ponto de vista patrimonial, a presença portuguesa ainda se faz notar na ilha de Ormuz, com a fortaleza, sucessivamente reconstruída a partir de 1515 e até 1622, "depois abandonada" e hoje "em mau estado", lamenta Teles e Cunha. Segundo o investigador, outros dois sítios tiveram ligação aos portugueses, mas já não subsistem vestígios: a feitoria num porto situado perto do estreito de Ormuz e o convento da Ordem de Santo Agostinho, na cidade de Esfahan, que a comitiva ministerial visitará este domingo.
Em Esfahan, no Centro do país, Rui Machete vai encontrar-se com o governador local e participar num seminário económico, juntamente com os representantes de doze empresas e dois escritórios de advogados que leva na comitiva.
O administrador da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Pedro Pessoa e Costa, e o presidente do Iran-Portugal Business Council, Nader Haghighi, também fazem parte dos convidados oficiais.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces