Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
Saturday, 21 February 2015 18:13

EUA reforçam seu papel em processo de paz da Colômbia com enviado especial

EUA reforçam seu papel em processo de paz da Colômbia com enviado especial
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou nesta sexta-feira Bernard Aronson como primeiro enviado americano para o processo de paz da Colômbia com a intenção de reforçar o papel de seu governo nas conversas em 2015, ano "crucial" para um acordo.
 
O Secretário de Estado, John Kerry, anunciou hoje a nomeação e garantiu que os Estados Unidos aumentarão seu envolvimento no processo de paz iniciado em novembro de 2012 pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).
Em discurso na sede do Departamento de Estado em Washington, Kerry não esclareceu que função específica Aronson terá nas negociações de paz entre o governo colombiano e as Farc, realizadas em Havana.
Mas o chefe da diplomacia americana ressaltou: "o presidente Obama chegou à conclusão que, embora persistem os obstáculos, vale a pena perseguir e ajudar à paz na Colômbia".
O Secretário de Estado assinalou também que, "nos dois anos desde que Santos começou estes corajosas negociações, nosso apoio foi inabalável", mas o governo americano considera ser necessário um novo impulso desde Washington.
Fontes do Departamento de Estado indicaram que os Estados Unidos veem 2015 como um ano "crucial" para a paz e Aronson representa um apoio de mais alto nível dos Estados Unidos para que "as partes finalizem os acordos".
As mesmas fontes esclareceram que o Executivo americano não será parte nas negociações, mas "o governo colombiano concluiu que nosso envolvimento pode ajudar no processo".
O chefe da diplomacia americana revelou que a criação deste posto, até agora inexistente, foi motivada pelo pedido de Santos para que os Estados Unidos adotassem um papel mais ativo nas conversas de paz do governo colombiano com as Farc.
"Como aliado e amigo (da Colômbia) temos a responsabilidade de fazer o que pudermos para alcançar a paz e ajudar a que as partes se aproximem", acrescentou o Secretário de Estado, que estava acompanhado de Aronson e da secretária de Estado adjunta para a América Latina, Roberta Jacobson.
Kerry destacou que Aronson tem um profundo conhecimento da América Latina e trabalhou nos processos de paz de El Salvador e da Nicarágua.
Ele foi nomeado secretário de Estado adjunto para Assuntos Interamericanos em 1989 pelo então presidente George H. W. Bush, até ser substituído no primeiro ano de mandato de Bill Clinton, em 1993.
O enviado também foi assessor para a América Latina do banco de investimentos Goldman Sachs, fundador do fundo de investimentos ACON e recebeu a medalha do serviço distinto do Departamento de Estado, a mais alta condecoração diplomática.
Aronson disse que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o Exército de Libertação Nacional (ELN) "têm que demonstrar coragem e renunciar à violência para sempre".
Os Estados Unidos apoiaram militarmente o governo colombiano durante décadas para encurralar as Farc, extraditar seus líderes e forçar uma saída negociada ao conflito armado colombiano, que provocou milhões de deslocados e mais de 200 mil mortos.
Desde o início das conversas em Havana, as Farc solicitaram a presença na mesa de diálogo de "Simón Trinidad", um de seus chefes guerrilheiros condenado a 60 anos de prisão nos Estados Unidos pelo sequestro de três cidadãos americanos.
"Simón Trinidad", cujo nome real é Juvenal Ovidio Ricardo Palmeira, foi extraditado em dezembro de 2004 aos EUA.
Kerry lembrou que a paz, a grande aposta política de Santos, "liberaria o enorme potencial do povo colombiano e de toda América Latina".
A porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, afirmou que, por enquanto, não estão previstas viagens de Aronson para iniciar seu trabalho no terreno, mas ressaltou que sua participação estará coordenada com o governo colombiano.
O Embaixador colombiano nos Estados Unidos, Luis Carlos Villegas, que esteve presente no anúncio, disse em comunicado que seu país "agradece imensamente esta nova amostra de apoio ao processo de paz em curso pelo governo dos Estados Unidos".
"O enviado estará em permanente contato com a Embaixada da Colômbia em Washington, com Humberto de la Calle, chefe da delegação do governo das negociações em Havana, e com Sergio Jaramillo, alto comissário para a paz", detalhou o embaixador.
 

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces