Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
segunda, 25 janeiro 2016 13:52

Egito vive quinto aniversário da revolução com indiferença

Egito vive quinto aniversário da revolução com indiferença
O Egito vive o 5.º aniversário da sua revolução perante a indiferença de muitos e o medo de outros, sob um regime autoritário que multiplicou as detenções nos últimos dias e proibiu hoje as manifestações.

Apesar de 25 de janeiro ter sido proclamado o "Dia da Revolução" desde 2012, não está prevista para hoje qualquer cerimónia e, segundo observadores, tudo foi feito para impedir a concentração da juventude, que considera que a sua revolta foi "confiscada".

No centro do Cairo, apenas uma dúzia de polícias guarda a praça Tahrir, epicentro da revolta de 18 dias que afastou Hosni Mubarak do poder a 11 de fevereiro de 2011. Numerosos blindados e polícias e militares fortemente armados foram colocados nas ruas adjacentes.

Há cinco anos, a vasta praça era ocupada por milhões que manifestantes exigindo a partida de Mubarak, que dirigia o país com "mão de ferro" há 30 anos. Reclamava-se também "pão, liberdade e dignidade".

O 'parêntese' democrático aberto em 2011 foi fechado em 2013 pelos militares, que sempre dirigiram o Egito desde que se tornou uma república em 1953.

A 03 de julho de 2013, o chefe das forças armadas, o general Abdel Fattah al-Sissi, destituiu e prendeu o islamita Mohamed Morsi, primeiro presidente eleito democraticamente, acabando com um governo da Irmandade Muçulmana acusado de incompetência.

Depois da repressão violenta das manifestações pró-Morsi, o poder virou-se contra a oposição laica e de esquerda.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces