Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
Monday, 09 March 2015 07:06

Venha conosco ao Irã VI

Como tem dito no programa anterior, a cidade Shiraz, escolhida pela UNESCO como uma das cidades culturais do mundo, possuía muitos vestígios históricos, pertencentes às épocas pré e pós-islâmicas no Irã.

 

No programa de hoje, continuamos o nosso percurso por esta formosa cidade e conhecemos algumas das suas atrações turísticas, incluídas partes religiosas, históricas e culturais. Convidamos os nossos ouvintes que nos acompanhem nesta viagem virtual.

A província de Fars com mais de 300 monumentos históricos ocupa o primeiro lugar no país em termos de patrimônios registrados. Estas obras se localizam dentro e nos arredores da cidade.

As obras históricas de Shiraz podem-se dividir em duas épocas, antes e depois do advento do Islã. As pré-islâmicas como o palácio de Abu Nasr, o castelo Pahandar e os desenhos da época do império Sassânida se encontram nos arredores da cidade. O mais destacado entre elas, podemos mencionar ao palácio de Abu Nasr, que tem impressionado mais os turistas. Os turistas como Tavernier, Chardin, Bizarus, Dieulafoy e Edward Brown, em suas visitas ao Irã, têm destacado a glória arquitetônica deste palácio.

As escavações realizadas entre os anos 1932 a 1933, nesta região mostram que a base do edifício foi fundada na época do império Aquemênida e mais tarde, na época do império de Arcácída foi restaurado e fortalecido, além disso, foi utilizado também na época do império Sassânida. Os mais antigos objetos descobertos nesta região pertencem à época dos impérios Aquemênida, Selêucida e Partes desde século VI ao século II a.C. 

No oeste de Shiraz, a seis quilómetros do palácio de Abu Nasr e perto do mausoléu Ebrahim, fica Barm-delak, que são as gravações nas pedras das imagens de alguns dos reis persas correspondentes à época do império Sassânida. Esta região tão formosa e de bom clima, há muitos anos, tem sido o lugar de recreio e diversão do povo da província de Fars.

O castelo Pahandar também pertence à época do império Aquemênida  localizado ao nordeste de Shiraz num bosque e sobre uma montanha. Esta fortaleza foi o lugar, onde protegia a cidade de Fars dos ataques dos inimigos, já que era um sitio de vigilância pela altura em toda a planície de Shiraz. No castelo Pahandar também existem poços de água subterrânea com muitas profundidades semelhantes aos da época do império de Aquemênida.

Também o general britânico Sir Percy Sykes, um orientalista, tem mencionado no seu Roteiro de viagem chamado "10 mil milhas no Irã", esta fortaleza e os seus poços profundos.

Queridos ouvintes, os patrimônios valiosos e antigos de Shiraz não se acabam com o que até agora tem lhes contado. A 60 Km. Ao norte de Shiraz, perto da montanha de Rahmat na região Marwdasht, encontra-se um dos antigos monumentos históricos do Irã que pertence ao século V a.C., chamado "Persepolis ou Parseh" também conhecido como “Trono de Jamshid”.

Persepolis está composto por múltiplos edifícios e cada um, na sua época, teve utilidade diferente. A arquitetura especial de Persepolis com muitas colunas demonstra que este lugar era a capital cerimonial durante o império de Aquemênida e em diferentes edifícios recebiam os convidados estrangeiros.

 

O Persepolis tem com uma extensão de 125.000 m² e erguido numa altura rochosa de 8 a 18 metros da superfície na planície de Marwdasht, e inclui diferentes partes como os palácios cerimoniais, os palácios menores próprios, a tesoureira imperial e castelos para proteger todo este conjunto. Na sua tem um degrau de pedra.

Segundo os documentos históricos, o Trono de Jamshid, o qual os gregos batizaram como Persepolis, era a sede da monarquia de Dário na dinastia Aquemênida. A construção do palácio iniciou no reinado de em Dario I em 512 a.C. e sua construção durou um século e meio.

 

No ano 331 a.C, Alexandro Magno que odiava o Irã,  na sua invasão a este país, incendiou totalmente o Persepolis e só sobraram as suas colunas. No entanto, os restos deste palácio tão monumental que igualmente demonstrava a arte dos artistas persas e a glória desta obra histórica, foram destruídos. A amplitude dos edifícios deste palácio, a altura deslumbrante das colunas e as esculturas sobre as pedras e outros tipos de altares de adoração têm gerado a surpresa dos visitantes. Will Durant, historiador norte-americano, em seu livro intitulado “O Oriente, berço da civilização”, escreve: “As colunas e degraus de Persepolis são consideradas as mais gloriosas obras históricas que não têm similar na história da arquitetura do mundo”.

 

Em todas as partes de Persepolis se encontram as belíssimas esculturas, as quais demonstram as relações e os pensamentos dos reis Aquemênida e a vida dos povos há 2500 anos. Nas gravações de Persepolis se encontram duas árvores verdes de pino e palma, que são os sinais dos jardins sempre verdes no Irã. No oeste do local e dentro das montanhas existem três túmulos separados que pertenciam aos três reis Aquemênida. Todas estas obras, incluídas as gravuras e os múltiplos pedaços de pedras escritas em três idiomas, persa antigo, babeli e ilamida, indicam a história destes monumentos. O palácio de Persepolis ou “Trono de Jamshid” ou também chamado Parseh, está registado pelo UNESCO em 1979 como um dos patrimônios mundiais.

 

Queridos ouvintes, Pasárgada também é também considerada um dos patrimônios mundiais que pertencia à época pré-islâmica e construída na época do império dos reis Aquemênida na província de Fars e, localizada a 70 km ao norte do Persepolis. Este conjunto também inclui vários palácios, dois pavilhões, fontes de águas nos jardins, os castelos de “Devaste Takht” para proteger os palácios, a pousada Mozafari, o túmulo de Ciro e Cambises, dois reis da dinastia Aquemênida e os recintos sagrados. Todo este conjunto de Pasárgada também está tumbada desde 2004 na lista das heranças mundiais.

 

A cidade antiga de Pasárgada era a primeira capital do império Aquemênida na província de Fars. Ela foi construída durante o mandato de Ciro no século VI a.C. O recinto principal ocupa 160 hectares, o qual se levanta numa região natural. Entre as obras mais importantes do conjunto de Pasárgada encontra-se o túmulo de Ciro, construída mais ou menos entre 530 a 540 a.C. e construído em pedra caliça branca. O túmulo está situado entre os jardins imperiais.

 

Além de todo o que temos contado, ao redor do Persepolis existem outras valiosas obras históricas das épocas de Sassânida,  Arcácída e Aquemênida, mas, já neste programa não há mais tempo para vos apresentar. Esperamos que viajem ao Irã e tenham a oportunidade de conhecer de perto todas estas obras impressionantes.

 

Queridos ouvintes, aqui termina o capítulo de hoje e convidamos-lhes a escutar nosso próximo programa. Até então, Adeus.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces