Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
Tuesday, 30 June 2015 07:16

Venha conosco ao Irã XXI

Venha conosco ao Irã XXI
      Nos artigos anteriores, em nossa viagem virtual a Isfahán, cidade de arte e história, dê-lhes a conhecer uma parte das obras valiosas artísticas e históricas desta cidade. Hoje explicamos em detalhe o palácio-museu Chehel-Sutun, o museu da História Natural de Isfahán e o palácio de Hasht-Behesht (oito paraísos).

 

 

Entre os jardins, numa area de 67.000 m2 e por trás da Praça Imam Khomeini (ou Naqshe-Jaahan), está situado um belo palácio conhecido como Chhel-Sutun, literalmente de “quarenta colonas”. O grande salão do palácio servia para receber a embaixadores e enviados políticos dos governos estrangeiros na época de Safavida. Este palácio está construído no conjunto de Baqe Jaahan Namaa pertencente à época do reinado do primeiro xá Abbaas de Safavida.

O palácio Chehel-Sutun conta com dois salões, uma piscina grande e vinte colunas octogonais altas. Os reflexos das colunas na água do rio se veem quarenta colunas, por isso, este palácio é conhecido como Chehel-Sutun (quarenta colunas). Alem disso, na literatura persa, o número quatro é o símbolo de multidão ou multiplicidade, e na cultura islâmica é o símbolo de um número sagrado.

A arquitetura do palácio Chehel-Sutun é a combinação da arquitetura persa, chinesa e européia. Uma das dependencias do palácio é um grande alpendre com 38 metros de comprimento e 14 metros de altura em direção ao este. As colunas octogonais e são de madeira de pino e de sicomoro. As quatro colunas no centro do alpendre estão erguidas por cima de quatro leões de pedra.

Antigamente, os convidados estrangeiros e as personalidades de alta clase de outros países eram recebidos no salão central do palácio. As paredes deste salão estão pintadas com desenhos muito preciosos. Certos destes desenhos contam-nos os acontecimentos históricos como a batalha de Xá Ismael Safavida contra a tropa de Otemanos em Chaaldoraan e também a batalha de Nader Xá Afshar contra os índios. Em outras partes do palácio, veem-se pinturas com estilo europeu inspiradas nas obras da Europa daquele epoca.

O teto do alpendre principal do palácio Chehel-Sutun está decorado com diferentes pinturas em madeira e com diferentes formas geométricas. No palácio também se fizeram muitas decoraçãoes de espelhim e de gesso.

O teto do salão principal tem três cúpulas douradas, que se consideram uma das obras mais destacadas de damasquinagem realizado em toda a história do país persa. Ao todo, as artes aplicadas no teto deste palácio é uma combinação de um conjunto formoso de diferentes artes de madeira, pintura, decoraçãoes de espelhim e outras matérias. No palácio Chehel-Sutun, que hoje em dia serve de museu, se guardam peças e objetos de ceramcia e de barro, de metal, de cristal e prças de caligráfias de diferentes épocas de Persia, o que tem aumentado a cada vez mais as atrações do palácio.

Agora, apresentaremos o Museu de História Natural de Isfahán, o qual se encontra a pouca distância do Palácio Chehel-Sutun.

Este museu conta-nos a história da natureza e o mundo criativo, onde se conservam animais tanto vivos e disecados; um lugar visitado pelo público como um centro científico-cultural.

O Museu de História Natural de Isfahán foi construído no 1367 da hégira solar (1989) no salão Teimuri que é umas das obras antigas da época de Teimurian em Isfahán.

Este museu tem sido criado com o objectivo de elevar o nível de conhecimentos e informação da comunidade sobre a vida, a grandeza do mundo e o poder de seu criador. Ele, além de aguardar o legado valioso natural do país, é um lugar onde se pesquisa sobre as ciências naturais.

É de notar que a existência deste museu, junto com outras obras valiosas históricas de Isfahán, tem incrementado a variedade de atractivos turísticos desta cidade. O Museu de História Natural de Isfahán, além de uma biblioteca e uma oficina de reparo e produção de obras de arte, conta com sete palcos de espectáculos. Finalmente, a antiguidade do monumento do edifício junto à exibição de restos de animais de faz milhões anos, combinaram-se de alguma maneira que surpreende a qualquer visitante pela glória do mundo e o poder de Deus como seu criador.

As obras valiosas e históricas de Isfahán são muito chamativas. O palácio de Hasht-Behesht (oito paraísos) é uma das obras mais preciosas e antigas da cidade de Isfahán e indica o auge da arte e a delicadeza da arquitetura persa.

É conveniente que, a seguir dêmos a conhecer sobre suas delicadezas. O monumento do palácio Hasht-Behesht está situado no meio de um grande jardim denominado Baqe Bolbol (Jardim Rouxinol), cheio de árvores antigas, como os altos sicomoros. Este jardim foi parte do grande jardim Naqshe-Jahaan. O palácio Hasht-Behesht tem 35 metros de comprimento e 26 metros de largo, cujo piso é feito de mármore.

O palácio tem dois pisos com muitos quartos, salões, corredores, sendo todos decorados com gesso e com espelho.

O palácio Hasht-Behesht, semelhante aos muitos dos monumentos da época de Safavida, é octagonal e, este estilo de arquitetura tem duplicado sua beleza. No meio do salão principal, existe uma fonte de mármore que também é octagonal e é conhecida como a fonte de Morvarid (ou a fonte da Pérola).

A combinação das abóbadas e os pardes no palácio Hasht-Behesht é de tal maneira que se pode desfrutar de todas as paisagens que se contemplam ao seu redor. Todas as abóbadas e as paredes estão decoradas com azulejos desenhados com flores e rouxinóis muito lindos. A cada um dos quartos e a salão principal tem sido decorado de uma forma especial e exclusivo. E nenhuma parte do edifício é similar quanto à decoração. Em todas as partes do palácio se observam diferentes tipos de decoraçãoes que, por sua vez, demonstram a habilidade, o gosto, o poder de criatividade e a iniciativa de seus criadores. Passada três séculos da idade do palacio, no entanto, se conservou sua forma original sem algumas modificações e, não exageramos se dizemos que este palácio é um dos sem presdentes da época de Safavida. Com esta razão, o turista francês, Chardon tem dito que o palácio Hasht-Behesht é um dos mais agradáveis e elegantes palácios que toda a Europa.

 

 

 

 

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces