Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
sábado, 05 dezembro 2015 09:22

Vem conosco ao Irã (parte-33)

Vem conosco ao Irã (parte-33)
   Saudações a todos os aqueles que acompanham a nossa programação em serie sobre o turismo do Irã e os estimados interessados no programa “Vem conosco ao Irã”.

 

 

Se bem se lembram, nos programas anteriores, tínhamos viajado para a província de Chahar Mahalo Bakhtiari. No programa de hoje vamos apresentar outras informações interessantes desta bela terra. O turista francês Henry René Dallemagne no seu guia de viagem chamado “guia de Khorasan para Bakhtiar”, descreveu a província de Chahar Mahalo Bakhtiari, assim: "Grande parte dessa bela e verde terra é coberto por rios, florestas, prados, altas montanhas, profundos vales e picos de gelo natural, um todo que criou uma paisagem deslumbrante e incrível". Na primavera, as encostas são cobertas com flores vermelhas, em seguida, tomar a cor escura das rochas em um vermelho profundo.

Embora a história de Dalmani remontasse a sua viagem ao território Bakhtiari há um século, a natureza desta região ainda é impressionante. Colinas, encostas verdes, fontes de água e rios: em qualquer lugar nesta província pode observar diferentes perspectivas. No programa de hoje vamos descrever algumas atrações naturais da província.

Zard-Kuh, com 4221 metros de altura é uma montanha localizada a 73 km da oeste da cidade de Share-Kord, capital da província de Chahar Mahalo Bakhtiari, situado na cordilheira de Zagros, uma serra que se estende de noroeste para o sudeste do Irã com um comprimento de cerca de 1600 km. A cordilheira de Zagros, além de Zard-Kuh também contém outras altas montanhas, como cume de Dena com 4409 metros de altura e Oshtor-Kuh com 4150.

A montanha de Zard-Kuh era inacessível até o final do século XIX, e ainda hoje, que não há nenhuma limitação à escala, há ainda muitas áreas desconhecidas. Em cada passo de Zard-Kuh, os alpinistas se encontram uma área maravilhosa de gelo natural, fontes, grande e pequeno lagos onde se encontram os antigos castelos de tempos de Sassânida e Aquemênidas, todos muito fascinantes.

Nas alturas de Zard-Kuh se observa grandes estátuas em forma de leão em pedra que, embora na transcorrida do tempo, ainda expostas ali mostrando a coragem dos jovens bakhtiaries. No caminho para o cume da montanha de Zard-Kuh se incorporam pedras que foram instaladas para distinguir túmulos. Grandes estátuas de pedra foram colocadas ao lado dos túmulos dos reis.

A aldeia de Chelguerd perto da montanha de Zard-Kuh é uma das mais belas regiões da província de Chahar Mahalo Bakhtiari, onde no inverno é um local adequado para esquiar. Nesta região, a partir do mês iraniano Azar (novembro) começam frequentemente a nevar e às vezes isto dura cinco meses. Assim, no projeto de desenvolvimento económico e social da província, o vilarejo de Chelguerd é um dos destinos turísticos mais importantes da região. A pista de esqui de Chelguerd é uma das pistas mais famosas da cordilheira de Zagros. A referida pista com um comprimento de 800 metros e uma inclinação de 20% está dividida em partes separadas: para as famílias e profissionais. Por causa de um longo inverno nesta região, muitas pessoas vêm para desfrutar de esqui.

Os gelos naturais, muitos lagos, regiões alagadas- abrigos de diferentes animais- os tanques e grandes florestas de castanheiros no oeste de Zard-Kuh que chamam a atenção de qualquer e surpreende muitos turistas. Um deles é o turista britânico “Isabella Bispo” que ficou fascinado por este lugar nos finais do século XIX (1890) recorrendo centenas de quilômetros da terra desconhecida de bakhtiaríes. Ela caminhou por três meses as diferentes partes do de montanha de Zard-Kuh, e quando regressou ao seu país, a Grã-Bretanha, escreveu um guia chamado “Viagem ao Irã e Curdistão”.

Nas encostas de Zard-Kuh transcorrem mais de 20 grandes rios e também está a cordilheira um intervalo de 16 montanhas que são mais de 3.500 metros de altura, é uma boa região para a escalada, relaxar e assistir uma paisagem natural. Quando chega a primavera, são alucinantes as altas montanhas e a linda natureza de Mahalo Bakhtiari Chahar. Uma natureza intacta, onde a maioria das tribos bakhtiaríes, lá se abriga no verão e no inverno. Zard-Kuh é uma terra onde a natureza preservou sua forma natural por mil anos e cujos campos estão cheias de tulipas, que estão na lista de patrimônios nacionais registados no Irã e são protegidos pela Organização iraniana do Meio Ambiente.

As tulipas com as cabeças para o chão “Crestfallen” (são chamadas por ter flores que olham para o chão) tem uma superfície de cerca de 3.600 hectares, no município Kuh-Rang perto de vilarejo de Benu Astqui, onde tulipas coloridas são vermelhas e amarelas. O bom tempo e chão coberto de flores silvestres deixa a boca aberta de qualquer visitante. As tulipas Crestfallen, chamadas no dialeto da região como o pranto de Maryam, crescem em meados do março e florescem, dependendo da temperatura da região, no final do mês iraniano de Ordibehesht (abril), mas estas lindas flores não duram muito tempo, por isso todos os anos na Primavera, as tulipas cabeço-baixo recebem milhares de turistas de todo o país.

A fonte de Dimeh perto de uma aldeia de mesmo nome é uma das atrações naturais desta parte da terra iraniana. De acordo com especialistas, a fonte de Dimeh tem uma das mais ricas águas naturais conhecidos no mundo que tem diferentes propriedades terapêuticas, evite a cárie dentária e é também um bom tratamento de pedras nos rins. Na verdade, esta fonte é a nascente do rio de Zayandeh-rud. Castanheira e outros tipos de árvores perto da fonte criam uma magnífica paisagem que atraem turistas, também existem chalés para os visitantes. A fábrica de água mineral na região exporta seus produtos aos mercados doméstico e internacional. Além disso, estão previstas a fabricação de outras fábricas de agua mineral e sendo um grande projeto deste tipo na região do Oriente Médio. A fonte Dimeh também é importante porque foram descobertas no seu torno, obras histórico-culturais, tais como os primeiros tijolos e pratos de barro.

De acordo com declarações do chefe da Organização do património cultural da província de Chahar Mahalo Bakhtiari, a fonte Dimeh está localizada em uma área próxima a uma era pertencente à região da zona histórica das Partes.

Nós queridos leitores, vamos ficar aqui neste programa, nos despedimos até a próxima semana.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces