Este Website está sendo descontinuado. Mudamos para Parstoday Portuguese
sábado, 02 janeiro 2016 12:20

Venha conosco ao Irã -37

Venha conosco ao Irã -37
A província do Azerbaijão Oriental tem muitas atrações maravilhosas. Na semana passada, conhecemos algumas belezas da sua capital, Tabriz. Agora vamos apresentar outros lugares desta cidade histórica.

Os museus são uns lugares onde se exibem objetos e as obras de outras épocas em que desempenham um papel importante na conservação e narração da cultura humana.

Poderíamos denominar à província do Azerbaijão Oriental como um museu histórico, cultural e natural. A cidade de Tabriz foi cinco vezes a capital de diferentes monarquias iranianas. Variados museus que se encontram nesta cidade, expõem obras que representam cada uma destas épocas do território iraniano.

O Museu histórico de Azerbaijão está localizado no centro de Tabriz, próximo da mesquita de Qabud. Este museu com três mil m2 foi inaugurado em 1962, é um edifício de três andares. Nele conservam objetos e informações pertencentes às três épocas pré-históricas, históricas, e à época islâmica.

No museu se encontram objetos históricos do milénio cinco A.C., isto tornou este lugar um verdadeiro deposita e símbolo da história, cultura e a arte iraniana da região noroeste da pérsia antiga.

Os objetos mais antigos neste museu são um conjunto de pratos de argilas que pertencem ao milénio cinco A.C., outras peças mais destacadas da época pré-histórica, são as pedras com desenhos de animais e plantas que pertencem ao terceiro milénio A.C. No museu, também existem dois cadáveres de uma mulher e um homem que pertenciam ao primeiro milénio A.C. e que se protegem num escaparate, os quais foram descobertos nas investigações científicas realizadas em 1999 no recinto da mesquita de Qabud.

Uma nova parte dos museus do Azerbaijão é a secção onde guardam as pedras das tumbas que correspondem a diferentes épocas. Ainda, observam-se as estátuas de pedras com figuras de cabra (ou carneiro) e estátuas humanas, com inscrições. Em outra parte do museu se guardam moedas de diferentes épocas.

As obras contemporâneas também têm o seu próprio lugar no museu. Nesta parte encontram-se peças do escultor artista Ahmad Hosseini, nascido em Tabriz. Estão expostas grandes estátuas do artista com o tema: O homem no mundo actual. Na opinião de Hosseini, o homem deste século está em conflito com as múltiplas catástrofes naturais, a guerra, a pobreza e a injustiça entre outras coisas.

Atualmente, os acervos do museu representam mais de 11 mil fases culturas, mas por falta de espaço, apenas 2300 dos objetos estão expostas as visitantes. Toda esta informação tornou o museu do Azerbaijão em um deposito valioso que pode atrair os turistas nacionais e internacionais.

Encaminhado nos antigos bairros da cidade de Tabriz, encontramos casas com entradas muito impressionantes. O Conselho Supremo de Urbanização e Arquitetura consideram a Tabriz como uma das seis cidades histórico-cultural do Irã, por isso, estão tomadas muitas medidas no sentido de restauração das muitas partes da cidade e reconstrução e conservação de casa e mansões antigas. Por exemplo, a casa de Sharbat-Uqlu, já se transformou em um lugar cultural, ou a mansão de Qadaqui numa Faculdade de Arquitetura da Universidade de Sahand.

Mas, Khane Mashrute (ou a casa constitucional) localizada no oeste do mercado de Tabriz é um monumento histórico importantíssimo pertencente à época de Qajar em que hoje, se transformou em Museu da Constituição de Tabriz.

Tendo em conta que o Azerbaijão, sobretudo, o povo de Tabrizense tem mantido um papel importante na vitória da Revolução Constitucional do Irã ocorrida há 100 anos, foi imprescindível fundar um museu que representa legado histórico desta época histórica, com acervos interessantes, desde objetos pessoais dos lideres da revolução constitucional e mais informações e documentos sobre este período importante da história contemporânea e relatos e as fotografias dos acontecimentos a cerca desta revolução.

O principal edifício de museu era uma mansão antiga de um conhecido da cidade chamado Haj Mehdi Kuzeh Kanani, onde na revolução constitucional era um centro de comando das forças revolucionárias. O edifício é construído numa superfície de 1200 m2, e em 1975 foi registrado na lista do patrimônio nacional do Irã. No Museu da Constituição estão expostos todos os documentos e objetos relacionados às lutas revolucionários da época. Os pertences pessoais dos líderes da revolução, os documentos, os decretos, e as correspondências pessoais dos combatentes e forças governamentais, as imprensas liberais são partes do cervo do museu.

Museu da revolução constitucional também é um dos locais interessantes e exclusivos na história contemporânea de Irã.

Agora vamos lhes apresentar os lugares de passeios e jardins da cidade. O-Gölü é dos lugares mais importantes de passeio em Tabriz, mas com o crescimento e o desenvolvimento da cidade, ele já se encontra no centro da estrutura urbana. O jardim de O-Gölü é um lugar agradável com um grande lago. O lago tem uma superfície de 5.5 hectares e uma capacidade de 2000 metros cúbicos. Anteriormente, o lago maior chamado O-Gölü que significa o grande lago, o qual servia, na época dos Sáfavidas, como a maior depósito de água para regar os jardins nas zonas orientais de Tabriz.

Mas na dinastía das Safávidas, foram construídos ao redor da piscina (lago) muros de pedra e, depois, na época de Qajar, acrescentaram ruas com decoração de árvores salgueiro-chorão, e diferentes tipos de flores. Também neste passeio se encontra o palácio O-Gölü que foi construído no reinado de Sultão Yaghub Aq Qoyunlu e que os Safávidas o ampliaram. Um dos príncipes da dinastia Safávida chamado Qahreman Mirza, aperfeiçoou o jardim e o transformou em passeio Real.

Nos últimos anos, no edifício principal abriu um restaurante e do lado fora do jardim foi construindo um hotel de cinco estrelas para atendera a demanda turística, já que o lugar é muito visitado por turistas nacionais e estrangeiros.

Add comment


Security code
Refresh

Enlaces